0 Flares 0 Flares ×

É com grande satisfação que comunicamos que o Dr. Elyr Teixeira (em destaque na foto abaixo), Coordenador do Desafio Inovação do Congresso Brasileiro de Engenharia Biomédica (CBEB2018) recebeu o prêmio de inovação para Internet das Coisas oferecido pela Qualcomm.

Premio_qualcomm_OIT-2017-768x358

(Fonte: https://www.ztop.com.br/qualcomm-ganhadores-premio-inovacao-iot/)

“O Prêmio Tecnologias de Impacto — Novas soluções Wireless IoT 2017 que — como o próprio nome sugere — tem o objetivo de incentivar e premiar projetos inovadores criados por empreendedores, inventores e acadêmicos que trabalhem em centros de pesquisas, universidades e até empresas localizadas no Brasil, que utilizem tecnologias wireless para o desenvolvimento da Internet das Coisas.” (Fonte: https://www.ztop.com.br/qualcomm-ganhadores-premio-inovacao-iot/)

O Dr. Elyr Teixeira descreveu o projeto realizado para o Boletim da SBEB.

Segundo estatísticas da Organização Mundial da Saúde (OMS), as mãos de profissionais de saúde são, em todo o mundo, a principal via de contaminação cruzada em pacientes, responsáveis por grande parte das infecções hospitalares, muitas vezes com risco de morte. No Brasil, são 100 mil morte/ano. Na melhor das hipóteses, aumentam o tempo de internação, o que acaba onerando o sistema de saúde.

 O sistema é simples: cada funcionário possui um crachá, menor do que um celular convencional, com 9 mm de espessura, visor eletrônico e iluminação em led (light emitting diode). Cada vez que o funcionário aciona um dos dosadores de álcool em gel, instalados nas paredes dos hospitais, automaticamente é emitido um sinal por bluetooth para o crachá, informação repassada para o software central, por wi-fi. Nele, aparecerão as informações dando conta de quando foi a última vez, e a que horas, em que aquele profissional higienizou as mãos. “Com o programa, é possível elaborar relatórios diários, semanais, mensais e anuais, de acordo com a escolha do administrador. Para acessar o sistema, é ainda mais simples: basta abrir um navegador de internet, em qualquer computador, digitar o endereço específico e consultar as informações”. Na prática, todas as vezes que o profissional higienizar as mãos, uma mãozinha com o dedinho para cima, sinal conhecido com “thumbs up” e que os usuários do Facebook clicam como “curtir”, surge no display do crachá, com um som, confirmando que a ação foi cumprida.

O projeto permite ainda que se monitorem leitos de hospitais com sensores de presença. Se um profissional de saúde, seja ele médico ou enfermeiro, aproximar-se do leito de um paciente sem haver higienizado as mãos, poderá fazer soar um alarme. “Acredito que o maior motivo para que os funcionários não lavem ou se esqueçam de lavar as mãos seja a falta de visibilidade do ato, quer dizer: ao olhar para as mãos de alguém, se estiverem com uma boa aparência, não se poderá dizer se foram lavadas ou não. O alarme e os registros no software são uma forma de tornar essa falha aparente para todos”. Além de monitorar a higiene das mãos do profissional antes de interagir com o paciente, o sistema também registra quantas vezes, que horas e por quem o paciente foi atendido. “Esse tipo de registro é fundamental em ambientes de Unidades de Terapia Intensiva (UTI), em que os doentes ficam sozinhos por muito tempo sem a presença de familiares”, complementa.

Desenvolvi o produto durante meu doutorado no Programa de Engenharia Biomédica da COPPE/UFRJ. Apesar do produto não ter relação com minha tese, os conhecimentos adquiridos no curso foram importantes em diversas fases de seu desenvolvimento. Diminuir a subjetividade humana é algo necessário na área de saúde para diminuir seu custo operacional e aumentar a segurança do paciente.

 Sou o fundador e CEO da Senfio onde nosso objetivo é o desenvolvimento de soluções wireless para o setor de saúde.

ContatoElyrTeixeira

 

 

 

 

 

Fonte: http://www.sbeb.org.br/site/coordenador-do-desafio-inovacao-do-cbeb2018-recebe-premio-de-inovacao-para-internet-das-coisas/