0 Flares 0 Flares ×

light-sound-2_resize_md-696x491

Os cientistas acabaram de armazenar informações baseadas em luz em um chip de computador como um arquivo de onda sonora. A equipe compara o feito para capturar o raio como trovão.

Durante décadas, os engenheiros que procuram colocar informações sobre um microchip encontraram-se frustrados pela velocidade da luz. Houve tentativas de acelerar chips para processar a luz, mas nada parecia estar funcionando. Pesquisadores da Universidade de Sydney na Austrália conseguiram alcançar o improvável. Eles decidiram em vez de tentar acelerar o processamento de um chip, eles poderiam diminuir a velocidade da luz e convertê-la em som.

 

“A informação em nosso chip em forma acústica viaja a uma velocidade de cinco ordens de magnitude mais lenta do que no domínio óptico”, disse o supervisor do projeto, Birgit Stiller. “É como a diferença entre trovões e relâmpagos”.

Stiller trabalhou com o autor principal Moritz Merklein para criar um atraso, uma lacuna criada por abrandar a luz usando-a como uma onda sonora. Esse atraso permite que os dados sejam armazenados brevemente o tempo suficiente para que o chip processe e obtenha informações.

Com efeito, isso pode significar que os computadores podem interpretar os dados fornecidos pela luz ao mesmo tempo em que obtêm essas informações em uma velocidade lenta e precisa para fazer algo com isso. As empresas tecnológicas têm lutado para aperfeiçoar esta tecnologia, mas se depararam com vários obstáculos (particularmente na velocidade da luz). Merklein, que também é doutorando na Universidade de Sydney, observou que seu projeto pôde ter ajudado a resolver esses problemas.

“Para [computadores baseados em luz] tornarem-se uma realidade comercial, os dados fotônicos no chip precisam ser abrandados para que possam ser processados, encaminhados, armazenados e acessados”, disse Merklein.

O co-autor Benjamin Eggleton disse: “Este é um importante passo no campo do processamento de informações ópticas, pois este conceito cumpre todos os requisitos para sistemas de comunicação óptica de geração atual e futura”.

Os pensamentos de Eggleton podem parecer um pouco otimistas, mas ele tem todo o direito de ser. Os computadores que trabalham à velocidade da luz usando o poder da luz podem revolucionar a computação. Os sistemas de computação baseados em luz têm o potencial de trabalhar 20 vezes mais rápido do que o laptop comum no mercado. Aumenta significativamente a largura de banda. Eles não exercerão calor. Eles não drenam os sistemas da bateria. Essas vantagens são porque eles teoricamente transferem dados via fótons em vez de elétrons.

Atualmente, a IBM e a Intel são duas das maiores mentes corporativas no jogo de informática baseado em luz. No momento, cientistas podem codificar informações em fotos com relativa facilidade. É assim que funcionam as fibras ópticas. Mas, como a equipe australiana descobriu, obter essa informação em um chip é muito mais difícil.

Os benefícios dos computadores à base de luz parecem tão insanosamente práticos, mas também futuristas, dado o estado atual de um computador run-of-the-mill. Os computadores à base de luz também podem melhorar o desempenho da Inteligência Artificial. Pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology desenvolveram um mundo computacional baseado em luz para tecnologias de aprendizado profundo. Basicamente, a equipe do MIT descobriu que os dados baseados na luz manteriam as cabeças dos robôs da IA superaquecimento.

Agora que os pesquisadores conseguiram “retardar a luz” o tempo suficiente para que possamos aproveitar os benefícios da computação baseada em luz, isso poderia revolucionar a tecnologia diária na nossa ponta dos dedos.



light-sound_resize_md Imagem: M. Merklein et al./Nature

Fonte: http://engenhariae.com.br/tecnologia/luz-e-armazenada-como-som-pela-primeira-vez/